NOTÍCIAS

29
JAN

12 produtos do dia a dia que podem desregular seus hormônios

Publicado 29/01/18

Você pode nunca ter ouvido falar em desreguladores endócrinos, mas com certeza já esteve diante de alguns deles. A ciência está descobrindo que produtos do nosso cotidiano, como esmaltes, televisão e até água encanada, escondem substâncias capazes de alterar o funcionamento do nosso corpo. 

Os disruptores endócrinos são compostos artificiais ou naturais que interferem na ação dos nossos hormônios e nos expõem a doenças. Hoje, há suspeitas sobre mais de 800 misturas químicas.

“Elas estão na indústria e na agricultura e entram no corpo pela ingestão de água, de alimentos e pela respiração”, diz a química Débora Santos, da Universidade Federal de Pernambuco. Os efeitos dos tais desreguladores podem demorar décadas para aparecer. E existem situações em que o problema só dá as caras nas gerações futuras.

Na sequência, listamos os 12 disruptores tidos como mais perigosos, segundo pesquisa do Environmental Working Group, uma entidade especializada em saúde ambiental:

1 - PBDE

(retardantes de chamas, isto é, evitam que os equipamentos peguem fogo)

Encontrado em: Eletrônicos (celular, televisão, videogame), móveis, carpetes, colchões e alguns travesseiros

Acusação:  Distúrbios na tireoide, infertilidade feminina e problemas neurológicos em crianças

2 - Dioxinas

Encontradas em: Pesticidas como o DDT e no branqueamento químico do papel

Acusação: Infertilidade, aborto, diabetes, endometriose e déficits imunológico

3 - Atrazina

Encontrada em: Herbicida para as plantações de milho e cana-de-açúcar

Acusação: Infertilidade e câncer

4 - Chumbo

Encontrado em: Tintas, cigarro e água encanada

Acusação: Distúrbios na tireoide

5 - Bisfenol A

Encontrado em: Alguns tipos de plástico e no revestimento de enlatados

Acusação: Produção de espermatozoides defeituosos, puberdade precoce, câncer, obesidade, diabete e doenças cardiovasculares

6 - Perclorato

Encontrado em: Combustível de foguetes espaciais e fogos de artifício

Acusação: Distúrbios na tireoide

7 - Arsênico

Encontrado em: Pesticidas, alimentos e água encanada

Acusação: Câncer de pele, bexiga, pulmões e alterações sexuais 

8 - Mercúrio

Encontrado em: Peixes, frutos do mar e usinas de energia movidas a carvão

Acusação: Redução do QI de crianças, problemas no ciclo menstrual e no pâncreas

9 - Ftalato

Encontrado em: Cosméticos (esmaltes e perfumes), pavimentação de ruas, cortinas de chuveiro, couro sintético e vinil

Acusação: Anormalidades genitais, interferência em hormônios como testosterona e estrogênio e no desenvolvimento das mamas

10 - Químicos perfluorados

Encontrados em: Panelas antiaderentes, roupas, carpetes e capas de chuva

Acusação: Distúrbios na tireoide e infertilidade

11 - Compostos organofosforados

Encontrados em: Inseticidas

Acusação: Déficit de testosterona e problemas na gestação (pré-eclâmpsia e aborto)

12 - Dietilenoglicol

Encontrado em: Produtos de higiene pessoal e solventes industriais

Acusação: Redução na movimentação dos espermatozoides

Quem poderá nos defender? 

Apesar de o cenário não ser nada animador, é importante ressaltar que o universo dos disruptores endócrinos está lotado de incertezas. “As evidências vêm de estudos epidemiológicos e de experiências com animais, mas não há provas concretas, que relacionem causa e efeito”, reconhece a endocrinologista Evanthia Diamanti Kandarakis, professora da Universidade de Atenas, na Grécia, e autora das recomendações da Sociedade Americana de Endocrinologia. Há, inclusive, críticas sobre a quantidade elevada de químicos utilizados em pesquisas com cobaias, superior aos níveis encontrados no ambiente.

Os cientistas têm dificuldades em realizar experiências que envolvam seres humanos como voluntários. “É impraticável expor uma pessoa a substâncias nocivas”, lembra o endocrinologista Alexandre Hohl da Sbem. O próprio código de ética em pesquisa proíbe experiências que colocam em risco o bem-estar de alguém. Isso sem contar que as doenças surgiriam não por um único disruptor, mas pela ação conjunta de vários deles – e ao longo de anos.

Enquanto não temos um veredicto, certas atitudes minimizam o contato com os químicos. “No mercado, priorize garrafas de aço e recipientes de vidro em vez de itens de plástico, prefira frutas e verduras frescas no lugar de comida em conserva e não coloque no micro-ondas recipientes com bisfenol”, orienta a endocrinologista Poli Mara Spritzer, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Essas medidas simples devem ser acompanhadas de uma ampla discussão acerca do assunto, que envolva setores da sociedade, da política, da indústria e da academia. O objetivo em comum é cortar relações com os compostos que sabidamente desregulam nossa rede de hormônios. Afinal, vale tudo para que o futuro não seja tão sombrio.

Fonte: https://saude.abril.com.br/bem-estar/12-produtos-do-dia-a-dia-que-podem-desregular-seus-ho


- Compartilhar!
Ver todas
Doenças Hormonais e Metabolismo
Obesidade - Crescimento - Diabetes
Tireóide - Testes Hormonais
Facebook
Av Rio Branco, 4332 - 87501-130 - Umuarama/PR - (44) 3622-6393